Personalidades de Santarém


Padre João Felipe BettendorfPadre João Felipe Bettendorf

João Felipe Bettendorf nasceu em Luxemburgo, pequeno Estado Independente da Europa Ocidental, no dia 25 de agosto de 1625.

Na Itália, estudou e graduou-se em Direito Civil e em Artes. Já formado, ingressou na Companhia de Jesus (jesuítas) aos 22 anos de idade. Fala vários idiomas, era também pintor e poeta.

Atendendo a um convite do Pe. Antônio Vieira, veio para o Brasil. Chegou no Maranhão em 20 de janeiro de 1661, iniciando imediatamente sua vida missionária. Foi logo mandado para Belém, dedicando-se a viagens de catequese entre aldeias próximas.

Designado pelo Pe. Vieira para fundar missão na aldeia dos Tapajós, situada à foz do grande rio, chegou em 22 de junho de 1661. Sua fundação deu origem à cidade de Santarém.

Foi superior das Missões, de 1669 a 1674, e de 1690 a 1693. Morreu em Belém do Pará em 5 de agosto de 1698, aos 73 anos de idade.

 

Miguel Antônio Pinto GuimarãesMiguel Antônio Pinto Guimarães

O Coronel Miguel Antônio Pinto Guimarães nasceu em 8 de janeiro de 1808, em Santarém, aí falecendo em 16 de agosto de 1882, aos 74 anos de idade.

Foi agraciado com o título de Barão de Santarém, por ato de 17 de maio de 1871 da Princesa Imperial D. Izabel, então na Regência do Império.

O Barão de Santarém conquistou vários postos da vida pública, tais como Juiz de Paz, Coletor de Rendas Provinciais, Comandante da Guarda Nacional, Vereador e Presidente da Câmara entre 1848 e 1876, Deputado Provincial, Vice Presidente da Província do Grão Pará, chegando a Presidente da Província por várias vezes.

 

Dom Amando BahlmannDom Amando Bahlmann

Nasceu dia 8 de maio de 1862 na Alemanha. Foi ordenado sacerdote em 22 de setembro de 1888, chegou ao Brasil em 21 de junho de 1891 e em Santarém no dia 3 de agosto de 1907.

Nomeado Bispo dia 19 de julho de 1908, Dom Amando foi um administrador de mão firme, tendo realizado importante obras de cunho social, filantrópico e espiritual. Uma de suas obras de mais largo alcance, dentre outras, foi a criação da Congregação das Irmãs Missionárias da Imaculada Conceição, tendo como co-fundadora Madre Maria Imaculada de Jesus, no ano de 1910.

Dom Amando morreu na cidade de Nápoles, na Itália, em 5 de março de 1939.

 

Frei Ambrósio PhilipsenburgFrei Ambrósio Philipsenburg

Nasceu em 1 de outubro de 1880 na cidade de Essen, na Alemanha, e ainda muito jovem veio para o Brasil. Foi ordenado sacerdote a 7 de abril de 1907, iniciando seu ministério no nordeste, lá permanecendo até meados de 1917, quando foi transferido para Santarém, onde chegou em 17 de agosto do mesmo ano.

Fundou a Associação de São Luiz Gonzaga (1917), o Colégio São Francisco, a banda musical infanto-juvenil “Sinfonia Franciscana” (1918) e a Congregação Mariana dos Moços de Santarém (4 de outubro de 1919).

Frei Ambrósio faleceu a 14 de março de 1936, no Cururu entre os índios Mundurucus.

 

Literatura

Felisbelo Jaguar SussuaranaFelisbelo Jaguar Sussuarana

Nasceu em Santarém a 28 de abril de 1891 e faleceu em 10 de outubro de 1942, em sua cidade natal. Iniciou os estudos em sua própria cidade, mas foi em Belém que completou o ensino médio. Voltou para Santarém em 1915 e daí para frente tornou-se um autodidata de conhecimentos notáveis no campo da filologia, tornando-se um gramático respeitado e conhecido em toda a Amazônia.

Na poesia, foi romântico, parnasiano, simbolista, e até modernista. Sua enorme produção literária está espalhada por todos os jornais de Santarém desde 1915 até 1942.

Felisbelo Jaguar Sussuarana pouco usava seu nome em suas produções literárias, preferindo o pseudônimo: Flávio Tapajós, Flavius, Vespa, Mundico Malagueta, Índio Tapaiuna, Mané João, Chico do Futuro e Professor X foram os mais empregados.

 

Paulo Rodrigues dos SantosPaulo Rodrigues dos Santos

Nasceu em Santarém em 10 de janeiro de 1890 e faleceu em 7 de abril de 1974. Estudou tanto em Santarém quanto em Belém, mas não chegou ao curso superior. Como autodidata adiquiriu muitos conhecimentos em uma cultura eclética e solidamente fundamentada.

Poeta de extrema sensibilidade, espalhou pelos jornais de sua terra, ao longo de sua vida, lindas poesias. Colaborou intensamente nos jornais como editorialista e com trabalhos assinados.

Sua obra maior é, sem dúvida, o livro "Tupaiulândia", versando sobre a história de Santarém.

 

Padre Manuel Rebouças AlbuquerquePadre Manuel Rebouças Albuquerque

Nasceu no município de Eirunepê, no Estado do Amazonas, no dia 16 de julho de 1907. Veio para Santarém quando tinha apenas dois anos de idade. Aos treze anos foi para o seminário de Tefé, no Estado do Amazonas, e quatro anos depois foi para Portugal onde, no seminário de Braga, ingressou na Congregação do Espírito Santo. Fez seu noviciado na França e voltou a Portugal onde ordenou-se padre em 15 de setembro de 1935. Em 1936 veio para o Brasil para dedicar-se ao trabalho no interior do Amazonas, Acre e Pará.

Sua produção literária foi enorme, tendo publicado vários livros de poesia, em prosa, além de grande quantidade de escritos esparsos publicos no Brasil e em Portugal.

Padre Manuel Rebouças faleceu no dia 7 de janeiro de 1977, no Rio de Janeiro.

 

João Bento Veiga dos SantosJoão Bento Veiga dos Santos

Nasceu em Santarém no dia 8 de agosto de 1925. Pesquisador emérito, possuia um vasto arquivo contendo documentos preciosos relacionados com a história de Santarém e seu povo. Se tivesse posto em livro tudo que tinha documentado com relação à nossa história, teríamos a mais completa e autêntica história de Santarém.

Veio a falecer inesperadamente no dia 25 de fevereiro de 1987, quando tinha em preparo o livro “A História do Povo Santareno”, que não chegou a concluir.

João Santos era Secretário de Cultura, Desporto e Turismo do Município.

 

Wilmar Dias da FonsecaWilmar Dias da Fonseca

Nasceu em Santarém a 6 de março de 1915 e aos 37 anos de idade transferiu-se para São Paulo, onde morou de 1952 até 1984. Faleceu na cidade de Mogi das Cruzes a 12 de setembro de 1984. Seus corpo foi transferido para Santarém no mesmo dia.

Mesmo tendo vivido 33 anos fisicamente longe de sua terra natal, nunca se desvinculou dela. Escreveu muitos artigos históricos e literários, que foram publicados na imprensa local e nos anuários da Festa de Nossa Senhora da Conceição, de Santarém. É autor do livro "José Agostinho da Fonseca – O Músico Poeta".

Wilmar Fonseca é o autor da letra da mais conhecida canção santarena, a “Canção de Minha Saudade”, que tem música de seu irmão o Maestro Wilson Fonseca.


Emir BermeguyEmir Bermeguy

Nasceu em Fordlândia, a 4 de março de 1933, mas, ainda menino, veio para Santarém, matriculando-se no nascente Ginásio Dom Amando. Prosseguiu estudos em Belém, formando-se em odontologia no ano de 1956. Voltou para Santarém onde se instalou definitivamente.

É autor de mais de uma centena de letras musicadas pelo maestro Wilson Fonseca. De sua vasta produção literária tem prontos os originais para mais de uma dezena de livros, onde se incluem poemas, crônicas, contos, romances, etc. Em 1984 lançou o livro "Aquarela Mocoronga", onde canta elogios à Amazônia e especialmente a Santarém.

 

Felisberto SussuaranaFelisberto Sussuarana

Felisberto Aloíso Carvalho Sussuarana nasceu em Santarém, no dia 20 de agosto de 1932. Concluiu os estudos até o ensino médio em sua cidade natal. Como autodidata adquiriu sólida cultura, sendo que seus conhecimentos vão desde a literatura às artes, com investigações pela matemática e pelas ciências naturais. No que diz respeito à história, é pesquisador atento e meticuloso.

Em 1950 viajou para São Paulo a tratamento de saúde e nunca mais tornou à Santarém. Em 1991, lançou seu livro o "Mergulho de Felisbelo Sussuarana no Claro-Escuro do Homem e da Obra", um ensaio biográfico no qual a vida e a obra de seu pai Felisbelo Jaguar Sussuarana são analisadas em profundidade.

 

Música

Wilson Dias da FonsecaWilson Dias da Fonseca

Conhecido por Maestro Isoca, nasceu em Santarém em 17 de novembro de 1912. Musicista talentoso, com reconhecimento no Brasil e no exterior, é herdeiro de uma tradição musical que começou com o seu pai, o Maestro José Agostinho da Fonseca. Foi membro fundador da Academia Paraense de Música e da Academia Paraense de Letras.

A Obra Musical de Wilson Fonseca, compositor prolífico e eclético, vai do popular ao erudito, e está reunida em 20 volumes (apenas 4 publicados), com mais de 1.600 produções catalogadas, grande parte ainda inédita. Esse acervo inclui peças para canto e diversas combinações de instrumentos, para banda, composições orquestrais e líricas, além de arranjos e transcrições.

Dentre suas composições mais conhecidas, destacam-se o bolero “Um Poema de Amor”, “Canção de Minha Saudade”, “Terra Querida”, “Lenda do Boto” e o “Hino de Santarém”.

Historiador, memorialista, folclorista, poeta, professor, produziu, no âmbito das letras, os 12 volumes do seu já famoso, embora inédito, “Meu Baú Mocorongo”.

Wilson Fonseca faleceu em Belém, no dia 24 de março de 2002.

 

Artes Plásticas

João FonaJoao Fona

João Batista Pereira Fona nasceu em Santarém no dia 24 de junho de 1901. Foi um ótimo pintor e violonista, autodidata em ambas as artes. De seu pincel saíram trabalhos de impressionante beleza, mais pouco resta dessas obras e algumas delas estão fora de Santarém. Uma das telas mais conhecidas de João Fona é "A Justiça", que adornava o Salão do Júri da Prefeitura Municipal.

João Fona foi o introdutor das famosas cuias pintadas, uma das características mais acentuadas da cultura popular em Santarém. Essas cuias eram pintadas de forma artesanal, apenas como forma de sobrevivência. É porém na pintura de telas e murais que se reflete a genialidade do artista, que não teve mestres mas que se pode comparar aos clássicos da pintura brasileira.

João Fona faleceu em São Paulo a 25 de fevereiro de 1964.

 

Laurimar LealLaurimar Leal 

Laurimar Leal nasceu em Santarém no dia 24 de julho de 1939. Pintor, escultor e artesão, é hoje a maior expressão no campo da pintura santarena. Seus trabalhos são muito conhecidos e suas telas a óleo já extrapolam os limites de sua terra natal.

Das centenas de quadros que já saíram das mãos de Laurimar Leal, alguns estão no exterior e vários deles já foram mostrados em exposições realizadas em outros estados do país. Há no Centro Cultural João Fona uma galeria de retratos executados a óleo, de antigos prefeitos da cidade de Santarém.

 

Elias do RosárioElias do Rosário

Elias do Rosário nasceu em Santarém no dia 20 de julho de 1939. É excelente paisagista e tem como tema predominante de suas telas a Santarém de outros tempos. Um de seus melhores trabalhos é o quadro que ele intitulou "Santarém, 1932". É uma tela de grandes proporções medindo 4,50 x 0,80 metros e que, entre outros quadros seus, esteve exposto em Belém no ano de 1987. "Santarém, 1932", atualmente encontra-se em exposição na biblioteca do Instituto Cultural Boanerges Sena — ICBS.

Há quadros de Elias do Rosário espalhados por vários estados do Brasil.

Outros artistas se destacam em Santarém como: Paulo César Nascimento, Wilde Aben-Athar, José Augusto Sousa Martins, Manoel Apolinário e outros.